CartaExpressa

‘Tu pesa 7 arrobas?’: PGR diz não ver racismo de Bolsonaro e pede o arquivamento de ações

Para a vice-PGR, Lindôra Araújo, ‘não houve nenhuma conotação relacionada com a cor da pele’ no diálogo do ex-capitão com um apoiador em 12 de maio

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal o arquivamento de duas representações contra o presidente Jair Bolsonaro por racismo.

As peças miravam uma declaração do ex-capitão em contato com um apoiador negro: na interação, Bolsonaro perguntou se o rapaz pesava “mais de sete arrobas” – unidade de medida utilizada para pesar gado.

O diálogo aconteceu em 12 de maio, no cercadinho do Palácio da Alvorada, e foi transmitido por um canal bolsonarista no YouTube.

A manifestação da PGR ocorre no âmbito de uma ação apresentada pelo deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) e outra pela deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP). As peças estão sob relatoria da ministra Cármen Lúcia, que cobrou a manifestação da PGR.

Para a vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, porém, não há crime na declaração de Bolsonaro. Segundo ela, a expressão, “invocada como suposta desumanização ou discriminação, não foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal como caracterizadora do tipo penal”.

Araújo argumenta, ainda, que “não houve nenhuma conotação relacionada com a cor da pele” e que “a frase foi precedida de outra completamente dissociada de questões raciais”.

“É incabível, portanto, o recorte da fala, retirando-lhe do contexto e atribuindo-lhe conotação que não tinha, afastando a tipicidade penal.”

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.