CartaExpressa,Política

TSE nega suspensão de pagamentos a canais de Jair Bolsonaro e filhos no Youtube

TSE nega suspensão de pagamentos a canais de Jair Bolsonaro e filhos no Youtube

O pedido foi feito pela Polícia Federal que apura a live do presidente com informações falsas sobre a urna eletrônica

Presidente Jair Bolsonaro com seus filhos, Eduardo e Flávio. Foto: Carolina Antunes/PR.

Presidente Jair Bolsonaro com seus filhos, Eduardo e Flávio. Foto: Carolina Antunes/PR.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou um pedido da Polícia Federal para bloquear pagamentos dos canais oficiais de Jair Bolsonaro e seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio no YouTube. A solicitação  constava no mesmo encaminhamento em que a PF solicitou a suspensão de repasses de outros canais bolsonaristas. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

O pedido faz parte do inquérito em que apura as acusações de fraude nas eleições e ataques às urnas eletrônicas feitas por Bolsonaro em transmissão ao vivo no último dia 29. Segundo a Polícia, os canais disseminaram as informações falsas e ganharam maior engajamento e, consequentemente, em monetização.

Ao negar o pedido de bloqueio de canais de agentes públicos, o corregedor-geral do TSE Luis Felipe Salomão argumentou que os canais mantidos pelo presidente e seus filhos são ‘instrumentos relacionados ao exercício de suas funções’.

Além dos canais no Youtube, a PF pedia o bloqueio dos valores repassados por outras redes sociais ao clã Bolsonaro, como Facebook, Twitter e Instagram. A suspensão de outros parlamentares aliados do presidente, como Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP) e Daniel Silveira (PSL-RJ), também estava no pedido e foi negada por Salomão sob o mesmo argumento.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem