CartaExpressa

Thiago Brennand desembarca no Brasil: entenda os próximos passos

O empresário é alvo de cinco mandados de prisão por acusações de violência sexual contra mulheres

Créditos: Reprodução Instagram
Apoie Siga-nos no

O empresário Thiago Brennand, acusado de violências sexuais contra mulheres, desembarcou no final da tarde deste sábado 29 no Aeroporto Internacional de Guarulhos sob a custódia de policiais federais. Ele foi preso nos Emirados Árabes, onde estava foragido.

O voo saiu do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, de manhã, e chegou ao Brasil por volta das 17h50. Brennand foi acompanhado na viagem por agentes da PF com treinamento em artes marciais, depois que reagiu ao ser preso por policiais nos Emirados Árabes.

O empresário passará a noite na sede Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, onde será submetido a exame de corpo de delito. No domingo 30, pela manhã, ele será levado ao Centro de Detenção Provisória de Pinheiros, unidade destinada a presos por crimes sexuais.

Brennand chegou a ser preso no Brasil, em setembro, mas pagou fiança e foi posto em liberdade. Na sequência, fugiu para os Emirados Árabes. Ele é alvo de cinco mandados de prisão por acusações de violência sexual contra mulheres; responde a processos por estupro, cárcere privado e tortura. O empresário também é acusado de obrigar uma mulher a tatuar as suas iniciais.

Em dezembro, a Justiça de São Paulo aceitou denúncia contra ele por estupro no sexto processo em que se tornou réu. O homem ainda é acusado de agredir o filho, além de funcionários.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.