CartaExpressa,Política

Sikêra Jr. perde 57% do intervalo comercial após ofensas a LGBTs

Sikêra Jr. perde 57% do intervalo comercial após ofensas a LGBTs

Sikêra Jr., apresentador de programa na RedeTV!. Foto: Reprodução

Sikêra Jr., apresentador de programa na RedeTV!. Foto: Reprodução

O programa Alerta Nacional, comandado por Sikêra Jr, na RedeTV, teve reduzido em 57% o seu intervalo comercial após anunciantes debandarem da atração. O movimento das empresas aconteceu depois de o apresentador se referir à comunidade LGBTQIA+ como “raça desgraçada”.

Segundo reportagem de Gabriel Perline no site Notícias da TV, o intervalo do programa, que costumeiramente dura 4 minutos, levou um minuto e 45 segundos nesta quinta-feira 1.

Após a declaração de Sikêra, o grupo Sleeping Giants encabeçou uma campanha nas redes sociais com a hashtag #DesmonetizaSikera.

Segundo a reportagem, até o momento 20 empresas retiraram suas campanhas comerciais do programa. Estão na lista nomes como Caixa Econômica Federal, Casas Bahia, Blindex, Seara, Tim, Magazine Luiza, MRV, Sorridents, BMW Group, entre outros.

Após o caso, embora mantenha o apresentador no ar, a Rede TV publicou uma nota afirmando reprovar veementemente todos os tipos de discriminação e preconceito.

Não é a primeira vez que o apresentador tem o nome envolvido em casos de homofobia. Em 2020, ao comentar um assassinato cometido por um casal de mulheres, Sikêra fez uso de uma foto da modelo transexual Viviany Beleboni interpretando Jesus durante a parada de 2018 para dizer: “Isso é um lixo”, “uma bosta” e ‘uma “raça desgraçada”. “Os homossexuais estão arruinando a família brasileira”, disse ainda.

A manifestação cultural de Viviany tinha o objetivo de pedir mais respeito à população LGBTQIA+.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem