CartaExpressa

Rodrigo Maia: Lula é o favorito para 2022 e eu posso ajudá-lo

Rodrigo Maia: Lula é o favorito para 2022 e eu posso ajudá-lo

'Pesquisas mostram que Lula tem lugar garantido. Já Bolsonaro, gira em torno de 23% das intenções de voto porque não surgiu ninguém', diz

Rodrigo Maia e Luka. Fotos:  Sergio Lima/AFP e FILIPPO MONTEFORTE/AFP

Rodrigo Maia e Luka. Fotos: Sergio Lima/AFP e FILIPPO MONTEFORTE/AFP

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia afirmou que pode ajudar Lula na eleição presidencial de 2022. Em entrevista a Veja, o parlamentar disse ainda que o petista é o favorito na disputa.

“Posso ajudar, sim. Foi um bom encontro, com a presença do prefeito do Rio, o Eduardo Paes. Disse ao Lula que tenho grande interesse em conversar com ele sobre o Brasil. Acumulei experiência e conto com pessoas no meu entorno que também podem cooperar. Eu me aproximei da esquerda já durante o segundo mandato de Dilma Rousseff, para dar força à pauta econômica. Depois da queda do Eduardo Cunha, o PT me apoiou para conquistar a presidência da Câmara”, declarou.

“O Lula está praticamente no segundo turno, é favorito em 2022 e nós, do centro liberal, não podemos ficar de fora, precisamos tratar do futuro do país. As instituições provaram resiliência contra o autoritarismo do governo Bolsonaro, mas podem vir a se enfraquecer na hipótese de um segundo mandato”, acrescentou o deputado.

De acordo com Maia, o presidente Jair Bolsonaro “encolheu” e, para um candidato de centro chegar ao segundo turno com Lula, precisa tirar votos do atual chefe do executivo.

“Pesquisas recentes mostram que Lula tem lugar garantido. Já Bolsonaro, gira em torno de 23% das intenções de voto porque não surgiu ninguém com mais de 10%. O candidato para derrotar o petismo deve ser um nome capaz de tirar votos do presidente. E eles se concentram na extrema direita, em uma parte do segmento evangélico e no eleitor de classe média ressentido com a falta de perspectiva”, afirmou.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem