CartaExpressa

Randolfe defende que Bolsonaro seja denunciado por ‘homicídio qualificado’

Acusação poderá constar no relatório final da CPI da Covid ao lado de outros crimes, como curandeirismo e charlatanismo

Randolfe Rodrigues e Jair Bolsonaro. Fotos: Roque de Sá/Agência Senado e Marcos Corrêa/PR
Randolfe Rodrigues e Jair Bolsonaro. Fotos: Roque de Sá/Agência Senado e Marcos Corrêa/PR

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou em entrevista coletiva na quarta-feira 11 que pretende denunciar o presidente Jair Bolsonaro pelo crime de homicídio qualificado por ‘causar epidemia, mediante a propagação de germes patogênicos’.

A acusação tem base no artigo 267 do Código Penal e pode constar no relatório final da comissão, que também deve enquadrar o presidente nos crimes de curandeirismo e charlatanismo.

“Este [causar epidemia] é um dos primeiros tipos penais que nós pretendemos fazer o enquadramento, no âmbito do artigo 267 do Código Penal. Se do fato [epidemia] resulta a morte, a pena é aplicada em dobro, combinado com homicídio qualificado”, justificou o senador.

Randolfe atribui parte das mortes durante a pandemia da Covid-19 ao presidente da República, que muitas vezes aglomerou pessoas sem usar máscaras e incentivou posturas negacionistas.

“Basta ver o que diz o artigo 267 e ver o comportamento de sua excelência [Jair Bolsonaro]. No meu entender, há todo um enquadramento desse comportamento”, afirmou o vice-presidente.

No relatório final da comissão de inquérito ainda devem entrar as acusações de curandeirismo e charlatanismo contra Bolsonaro por incentivar o uso do ineficaz ‘kit covid’ e propagandear os medicamentos como cura do coronavírus e solução para a pandemia.

Em entrevista à Agência Senado, Humberto Costa (PT-PE) defendeu que os crimes constem no relatório final.

“Eu defendo que sim, que o Presidente da República seja indiciado por crime de curandeirismo, por propor soluções mágicas de doenças que não têm tratamento, o que é uma forma de exercício ilegal da medicina”, explicou.

Os crimes de curandeirismo e charlatanismo estão previstos no Código Penal nos artigos 284 e 283, respectivamente.

Todas acusações do relatório final, que será produzido por Renan Calheiros (MDB-AL), devem ainda ser aprovadas em votação pelos integrantes da comissão de inquérito. Depois de aprovado, o documento será encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF).

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!