CartaExpressa

CPI recomendará o indiciamento de Bolsonaro por charlatanismo e curandeirismo

Esses, porém, não devem ser os únicos crimes em que a comissão tentará enquadrar o presidente

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP

A cúpula da CPI da Covid tomou nesta quarta-feira 11 a decisão de recomendar o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro pelos crimes de curandeirismo, charlatanismo e divulgação de propaganda enganosa. A sugestão constará do relatório que será produzido ao fim dos trabalhos e encaminhado ao Ministério Público Federal.

O acordo entre as figuras de comando da comissão foi costurado durante almoço em um dos intervalos da sessão que colhe o depoimento de Jailton Batista, representante da farmacêutica Vitamedic, fabricante de ivermectina – um dos remédios ineficazes contra o novo coronavírus mas propagados por Bolsonaro.

Ao blog do jornalista Valdo Cruz, do G1, o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que a lista discutida pelos senadores não exclui a possibilidade de enquadrar Bolsonaro em outros crimes.

O artigo 284 do Código Penal trata do crime de curandeirismo: “I – prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância; II – usando gestos, palavras ou qualquer outro meio; III – fazendo diagnósticos: Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos”.

O artigo 283 dispõe sobre o crime de charlatanismo, definido como “inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível”, com pena de detenção, de três meses a um ano, e multa.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!