CartaExpressa,Política

Queiroga diz que ‘logo não precisaremos de máscara’; só 18% da população recebeu a 2ª dose

Queiroga diz que ‘logo não precisaremos de máscara’; só 18% da população recebeu a 2ª dose

Jair Bolsonaro e Marcelo Queiroga 

Foto: Evaristo Sá/AFP

Jair Bolsonaro e Marcelo Queiroga Foto: Evaristo Sá/AFP

Em discurso alinhado ao do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda-feira 26 que ‘logo, logo’ não será mais necessário utilizar máscaras contra a Covid-19 no Brasil.

Apesar do que disse o ministro, apenas 17,96% da população já recebeu a 2ª dose (ou dose única) de uma vacina. 45,59% dos brasileiros receberam a 1ª dose. Os dados foram atualizados na noite desta segunda pelo consórcio de veículos de imprensa.

Bolsonaro, que despreza o uso de máscaras desde o início da pandemia, já anunciou ter encomendado um estudo sobre a possibilidade de vacinados ou recuperados abrirem mão do equipamento de proteção.

“[O estudo está] caminhando. À medida que o número de óbitos diminui e a gente avança na campanha de vacinação, logo, logo não precisaremos mais de máscara”, disse Queiroga a jornalistas no Palácio do Planalto.

Em episódio recente, Bolsonaro chegou a retirar a máscara de uma criança durante uma aglomeração promovida por ele no Rio Grande do Norte. A atitude é alvo de representação na Justiça por ferir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

O presidente também já foi multado em pelo menos duas ocasiões por não usar máscara em eventos públicos. Quando questionado por uma repórter da TV Globo sobre os episódios, ele mandou a jornalista ‘calar a boca’.

Segundo números do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Brasil registra 550.502 mortes por Covid-19. O total oficial de infectados é de 19.707.662.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem