CartaExpressa

PSD e PDT desfazem aliança no Rio de Janeiro

Decisão foi tomada na noite desta sexta-feira após encontro entre Eduardo Paes e Carlos Lupi por indecisão na escolha de quem seria o cabeça de chapa no estado

Na foto, Carlos Lupi, o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves, Eduardo Paes e o ex-presidente da OAB Felipe Santa Cruz.

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Na foto, Carlos Lupi, o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves, Eduardo Paes e o ex-presidente da OAB Felipe Santa Cruz. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O PSD, de Gilberto Kassab, e o PDT, de Carlos Lupi, decidiram ‘em comum acordo’ desfazer a aliança para compor uma chapa única dos partidos na disputa pelo governo do Rio de Janeiro. A união havia sido anunciada há cerca de dois meses e tinha como objetivo lançar a dupla Rodrigo Neves (PDT), ex-prefeito de Niterói, e Felipe Santa Cruz (PSD), ex-presidente da OAB, como ‘terceira via’ no estado.

A informação foi confirmada por Santa Cruz ao jornal Valor Econômico neste sábado 9. Segundo o político, o rompimento foi motivado por uma divergência na escolha do cabeça de chapa. As candidaturas, conforme explicou, novamente seguirão caminhos separados e só voltarão a se unir caso o PDT tope ser vice e não cabeça de chapa. O encontro que selou o fim da composição foi realizado entre Lupi e o prefeito do RJ, Eduardo Paes (PSD).

“A gente tomou essa decisão, não de abandonar a ideia de aliança, mas a gente agora aceita a aliança desde que o PSD esteja na cabeça dela”, disse. “Na medida em que há o impasse, os dois lados estão liberados para fazer sua campanha”, acrescentou Santa Cruz.

A ideia inicial, dizia-se, era lançar como candidato o nome que estivesse mais bem colocado nas pesquisas eleitorais. No levantamento mais recente, divulgado pelo instituto Datafolha na quinta-feira 7, Neves soma 7% das intenções de voto e Santa Cruz apenas 3%. Os índices representam um empate técnico na margem de erro da pesquisa. Numericamente quem lidera a disputa é Marcelo Freixo (PSB) com 22%, tecnicamente empatado com o bolsonarista Cláudio Castro (PL), com 18%.

Agora, segundo Santa Cruz, o PSD fluminense tentará se unir ao PSDB e Cidadania, que já integram uma federação. Para ele, o PDT, se quiser, poderá ser integrado ao grupo, mas não mais como cabeça de chapa.

“PSD, PSDB e Cidadania já é um bom bloco para a gente ocupar o campo de centro. E sigo na esperança de que o PDT ainda virá apoiar, mas vamos botar o nosso bloco na rua, respeitando a decisão do PDT”, destacou.

A federação formada entre os dois partidos e cortejada por Santa Cruz ainda não apresentou um candidato viável ao cargo de governador no Rio de Janeiro. Vale lembrar ainda que a união entre o PDT e o PSD não era uma aliança nacional, ou seja, o PSD, que ainda busca um candidato próprio ao Planalto, não estaria no palanque de Ciro Gomes. Na ocasião do acordo, no entanto, a ideia de Lupi era que o acordo regional abrisse espaço para a ampliação de uma negociação neste sentido.

 

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.