CartaExpressa

Projeto de Carlos Bolsonaro tenta criar ‘grupos de vigilância comunitária’ em bairros do Rio

O texto prevê a identificação de ‘líderes e coordenadores’; o treinamento caberia à Guarda Municipal

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PL) protocolou na Câmara Municipal um projeto de lei para instituir a formação de “grupos de vigilância comunitária” nos bairros.

Conforme o texto, esses grupos seriam compostos por vizinhos, com apoio operacional, treinamento e supervisão da Guarda Municipal.

Uma das justificativas é que a participação da comunidade na prevenção a pequenos delitos “pode contribuir para a aproximação e confiança entre cidadãos e forças de segurança, fortalecendo os laços entre os próprios munícipes”.

Os grupos seriam formados por “vizinhos próximos que compartilham interesses em comum”. Além disso, haveria a identificação de “líderes e coordenadores”, eleitos pela comunidade; a definição de rotas e horários de patrulha, caso o grupo deseje; e a colaboração com autoridades locais.

Carlos Bolsonaro protocolou o projeto em 4 de abril, mas a tramitação ainda não começou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.