CartaExpressa

Professores não têm melhores condições, mas ‘muito amor’, diz Tarcísio

O governador deu a declaração durante lançamento de programa sobre alfabetização

O governador de SP, Tarcisio Freitas (Republicanos). Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) reconheceu, nesta terça-feira 20, que os professores de São Paulo precisam de melhores condições de trabalho.

“A gente sabe que os professores não têm a melhor estrutura nem os melhores salários, mas eles têm muito amor. E quando a gente for resolvendo as questões sociais, vamos dar melhor condições para eles trabalharem”, disse o governador durante o lançamento do programa Alfabetiza Juntos SP.

A iniciativa, que conta com recursos do governo federal, vai oferecer apoio pedagógico aos municípios para garantir que as crianças sejam alfabetizadas na idade certa, até o fim dos sete anos, quando terminam o 2º ano do ensino fundamental.

Tarcísio não comentou sobre o problema da falta de atribuição de aulas, que já deixou mais de 5 mil professores sem aulas, segundo levantamento da Apeoesp. O governador, no entanto, afirmou que os professores são ‘o maior bem’ e ‘dão um duro danado’ pela educação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.