CartaExpressa

Pronunciamento de Lula na TV teve ao fundo obra rara danificada na era Bolsonaro

A peça de Di Cavalcanti, avaliada em 5 milhões de reais, havia sido transferida para uma sala onde tomou sol e desbotou

Apoie Siga-nos no

O primeiro pronunciamento em rede nacional de Lula, neste domingo 30, contou com uma inusitada ‘participação especial’: a tapeçaria Músicos, do pintor e muralista Di Cavalcanti.

Encomendada por Oscar Niemeyer durante a construção de Brasília, a obra havia sido tirada de lugar no governo Bolsonaro para abrir espaço para os equipamentos das lives do ex-capitão – e acabou danificada.

A peça, avaliada em 5 milhões de reais, foi transferida para a sala de Estado, onde tomou sol e desbotou.

Em janeiro, a primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, mencionou Músicos na numerosa listas de objetos e obras mal-conservadas ou danificadas durante o mandato do ex-capitão.

“Essa obra aqui, ela não é aqui, o original dela é na biblioteca. Você pode ver que ela foi colocada aqui e está desbotada”, disse Janja em entrevista a GloboNews. “Aqui bate sol. Infelizmente, essa aqui vai ter que ser restaurada.”

Inicialmente, Lula gravaria o pronunciamento do 1 em frente a uma estante de livros. O presidente não quis, porém, ter como pano de fundo um cenário que remetesse àquele utilizado por Bolsonaro em suas famigeradas lives.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar