CartaExpressa

Por que a PRF não multou Bolsonaro por não usar capacete em motociatas

A corporação apontou que a situação seria semelhante a outros eventos extraordinários, como a posse presidencial

O ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) durante motociata em São Paulo. Foto: Caio Guatelli/AFP
Apoie Siga-nos no

A Polícia Rodoviária Federal decidiu não multar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por não usar capacete durante motociatas realizadas em rodovias federais.

A corporação justificou que as vias estavam fechadas para circulação e, portanto, o ex-capitão não precisaria necessariamente usar o equipamento de proteção, obrigatório conforme as normas do Código de Trânsito Brasileiro. Segundo a PRF, o CTB só é aplicável quando as vias estão abertas.

Em ofício encaminhado após uma demanda da agência Fiquem Sabendo, a corporação apontou ainda semelhanças com outros eventos extraordinários, como a posse presidencial – quando o presidente desfila em carro aberto sem cinto de segurança – ou até mesmo a visita do Papa Francisco em 2013, ocasião em que ele foi “transportado em veículo que não segue estritamente o que determina o CTB”.

A PRF não informou quantos eventos desse tipo aconteceram sob sua jurisdição, nem as datas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.