CartaExpressa

‘Vergonhosa página da diplomacia de Israel’, diz chanceler brasileiro sobre acusações contra Lula

Para Mauro Vieira, declarações do governo Netanyahu ‘são inaceitáveis na forma e mentirosas no conteúdo’

O chanceler Mauro Vieira. Foto: Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O chanceler Mauro Vieira afirmou que a diplomacia de Israel escreveu uma “vergonhosa página” ao acusar o presidente Lula (PT) “com recurso a linguagem chula e irresponsável”. Ele classificou como “algo insólito e revoltante” a conduta de Tel Aviv após o petista comentar os ataques contra a Faixa de Gaza.

As declarações de Vieira foram proferidas no Rio de Janeiro, na saída da Marina da Glória, local das reuniões do G20.

Pouco antes, o ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta (PT), havia afirmado que o ministro israelense das Relações Exteriores, Israel Katz, “distribui conteúdo falso” sobre Lula.

Em publicação no X nesta terça-feira 20, Katz acusou Lula de “comparar Israel a Hitler” e disse que as afirmações do petista sobre a ofensiva contra Gaza são uma “vergonha para o Brasil e um cuspe no rosto dos judeus brasileiros”.

Já o perfil oficial do Estado de Israel na rede social alegou que Lula teria negado o Holocausto.

“As manifestações do titular da chancelaria do governo Netanyahu, de ontem e de hoje, são inaceitáveis na forma e mentirosas no conteúdo”, reagiu Mauro Vieira. “Katz distorce posições do Brasil para tentar tirar proveito em política doméstica.”

Segundo o chanceler, Katz atacou o País em público, mas, em conversa reservada com o embaixador brasileiro em Tel Aviv, Frederico Meyer, “afirmou ter grande respeito pelos brasileiros e pelo Brasil, que definiu como a mais importante nação da América do Sul”.

“Além de tentar semear divisões, busca aumentar sua visibilidade no Brasil para lançar uma cortina de fumaça que encubra o real problema do massacre em curso em Gaza, onde 30 mil civis palestinos já morreram, em sua maioria mulheres e crianças, e a população submetida a deslocamento forçado e a punição coletiva.”

Mauro Vieira ainda afirmou que a situação em Gaza tem levado a um crescente isolamento internacional do governo de Benjamin Netanyahu.

“É este isolamento que o titular da chancelaria israelense tenta esconder. Não entraremos nesse jogo. E não deixaremos de lutar pela proteção das vidas inocentes em risco. É disso que se trata.”

No domingo 18, durante passagem por Adis Adeba, na Etiópia, Lula afirmou: “É importante lembrar que em 2010 o Brasil foi o primeiro país a reconhecer o Estado palestino. É preciso parar de ser pequeno quando a gente tem que ser grande. O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler resolveu matar os judeus”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar