CartaExpressa

Petrobras tem de enxergar as questões sociais, diz indicado para presidência

O general Joaquim Silva e Luna diverge do atual comandante da empresa quando o assunto é a cobrança dos caminhoneiros sobre os preços

Jair Bolsonaro e o general Silva e Luna. Foto: Mauro PIMENTEL/AFP
Jair Bolsonaro e o general Silva e Luna. Foto: Mauro PIMENTEL/AFP

O indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para substituir Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras afirmou que a empresa tem que enxergar as questões sociais, quando questionado sobre as queixas dos caminhoneiros sobre o preço do diesel.

Em entrevista ao Valor Econômico, o general Joaquim Silva e Luna diverge do atual comandante da empresa quando o assunto é a cobrança dos caminhoneiros.

“Resumindo: o preço do diesel e da gasolina impacta toda a cadeia produtiva do país. O caminhoneiro está se manifestando, mas a sociedade inteira percebe isso. Isso aí são considerações que têm que ser analisadas junto com o conselho [da empresa], junto com a equipe”, diz Silva e Luna.

 

“Qualquer servidor público, que serve à Nação, tem que ter consciência social. Uma empresa tem que estar totalmente incluída na sociedade, tem que enxergar as questões sociais”, acrescentou.

Em janeiro, Castello Branco chegou a afirmar que a insatisfação com o preço do diesel não se tratava de um problema da Petrobras.

Na quinta-feira 18, a estatal aumentou o preço da gasolina pela quarta vez só em 2021. Já o preço do diesel, principal impasse com os caminhoneiros, teve o terceiro reajuste.

Foram os constantes aumentos que fizeram com que Bolsonaro indicasse o general para o cargo. Neste sábado 20, o presidente reforçou que novas mudanças podem acontecer.

“Se a imprensa está preocupada com a troca de ontem, semana que vem teremos mais. O que não falta para mim é coragem para decidir, pensando no bem maior para nossa nação”, afirmou.

Na sexta-feira 19, a Petrobras divulgou uma nota oficial em que afirma que “Roberto Castello Branco e demais diretores Executivos têm mandato vigente até o dia 20 de março de 2021”.

De acordo com a petroleira, o Ministério de Minas e Energia “solicitou providências a fim de convocar Assembleia Geral Extraordinária, com o objetivo de promover a substituição e eleição de membro do Conselho de Administração”.

A reunião que decidirá sobre a troca da diretoria da petroleira ocorre na próxima terça-feira 23.

“O conselho é independente, tem a sua visão de mercado. Não conheço os conselheiros, mas têm lá os seus critérios. Vai ser rigoroso”, disse o general ao Valor.

Como acionista controladora da Petrobras, a União é responsável por indicar 6 dos 11 membros do colegiado e, na prática, consegue determinar os rumos da empresa.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!