CartaExpressa

Partidos se unem contra voto impresso em resposta à ameaça de Braga Netto

Partidos se unem contra voto impresso em resposta à ameaça de Braga Netto

'Essa coisa [ameaça] acaba reforçando a articulação contra', garante ACM Neto, presidente do DEM

FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

Em resposta à ameaça do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, de que sem voto impresso não haverá eleições em 2022, presidentes de partidos se articulam para reprovar a proposta o quanto antes, ainda na comissão especial da Câmara que analisa o tema.

O movimento contrário ao voto impresso já existia e era formado por diversas legendas, incluindo algumas da base bolsonarista. Mas, com as ameaças do general reveladas na quinta-feira 22, líderes do DEM, MDB, PSD, PSDB e Solidariedade decidiram ampliar a articulação contra o tema.

Na semana passada, o deputado bolsonarista Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), em uma manobra regimental, conseguiu adiar a sessão de votação na comissão. A intenção era ganhar tempo para tentar evitar a reprovação.

Com a ameaça governista, porém, os presidentes das legendas se movimentam para evitar que a manobra se repita. Com a articulação, a principal bandeira política de Bolsonaro corre sérios riscos de nem chegar ao Plenário.

“Essa coisa do Braga Netto acaba reforçando a articulação contra”, explicou ACM Neto, presidente do DEM, ao jornal O Estado de S. Paulo.

A articulação também foi confirmada por Fábio Trad, deputado federal pelo PSD e integrante da comissão. O parlamentar destaca que o projeto já não era visto com bons olhos na Casa e que o episódio aumentou ainda mais a objeção ao tema:

“Esta ameaça do Braga Netto aumentou a indisposição com a PEC”, destacou o congressista.

Sem o voto impresso, Bolsonaro e aliados já afirmaram diversas vezes que não haverá eleições. O presidente cogita até nem concorrer ao pleito se o sistema não for implementado, como confirmou recentemente reportagem de CartaCapital.

(Com informações da Agência Estado)

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem