CartaExpressa

Padilha provoca Bolsonaro no interior de São Paulo: ‘A gente não rouba joia’

O ministro estava ao lado da prefeita Paula Lemos (PSD), que pareceu incomodada com as declarações

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, provocou Jair Bolsonaro (PL) ao mencionar a participação do ex-presidente em um suposto esquema de desvio de presentes oficiais.

No fim de semana, o petista participou de uma agenda no Instituto Federal de Barretos, no interior de São Paulo, e mencionou o caso ao responder a elogios de um professor da instituição.

“A gente é de carne e osso, não xinga as pessoas, pode ficar tranquilo”, disse Padilha. “A gente não rouba joia, também. Ninguém vai vender seu relógio.”

O ministro estava ao lado da prefeita Paula Oliveira Lemos (PSD), que pareceu incomodada com as declarações. Bolsonaro venceu em Barretos no segundo turno do ano passado com 62,8%, uma larga vantagem sobre Lula.

Padilha repercutiu o momento nas redes sociais, com a legenda: “Tudo joia? Aqui em Barretos, o povo tá dizendo que além de novos investimentos, com a turma do Governo Lula, ninguém precisa ficar preocupado com seus relógios e joias”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar