CartaExpressa

Os próximos cortes da prometida reforma administrativa de Tarcísio em São Paulo

Na Fiesp, o governador prometeu mais privatizações e ‘digitalização’

Foto: Francisco Cepeda / Governo do Estado de SP
Apoie Siga-nos no

O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), afirmou na quarta-feira 31, que irá propor aos deputados estaduais uma nova etapa da reforma administrativa, que consiste na extinção de órgãos estaduais e agências,

“O nosso principal desafio é o fiscal. Para investir mais, precisa ter mais dinheiro e para ter mais dinheiro precisa de dois movimentos: tem que diminuir a despesa, diminuir custeio e aumentar a arrecadação, mas sem aumentar impostos”, disse o governador, em evento na Fiesp.

Estamos fazendo a extinção de cargos e vamos fazer a extinção de órgãos, porque chega um determinado ponto que a gente tem que se perguntar o porquê desse órgão existir, o que essa agência produz. E quando a gente vai responder, essa agência não produz nada”, afirmou Freitas aos empresários.

Nessa nova etapa, o governador também prometeu mais privatizações e afirmou que a primeira a ser concluída será a da Empresa Metropolitana de Águas e Energia, a EMAE, prevista para o mês de abril. Em seguida, a privatização da Sabesp.

O governador aposta na automação para cortar gastos. “Os países que mais estão crescendo são os países que mais estão investindo em governo digital, que estão digitalizando mais rápido”, afirmou. “Na Índia, tem um ministério dedicado a isso. Então nós vamos digitalizar mais atividades e assim conseguimos diminuir custeio”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar