CartaExpressa

Orçamento secreto: Guedes diz que emendas são ‘para apoiar o governo e fazer reformas’

‘Ganha a eleição, é natural que vá mais recursos para um lado do que para outro’, alegou o ministro da Economia

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, minimizou nesta terça-feira 30 as críticas às emendas de relator (RP-9), que formam o orçamento secreto. Segundo ele, “não é errado, em lugar nenhum do mundo, que quem está no poder tenha mais comando sobre recursos”.

“Isso é normal, é para isso que você ganha a eleição. Ganha a eleição, você ganhou, é natural que vão mais recursos para um lado do que para outro. Aí, quando outro lado ganha, ele comanda, por isso me parece dramática a discussão”, alegou o ministro, que participou do 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção.

Guedes acrescentou que precisava ter “muita prudência” para analisar o caso e disse não conhecer os “detalhes”, mas sugeriu que o esquema de distribuição dos recursos seria “uma ferramenta que aparentemente é transparente”. “Dizem que dá pra ver as emendas, eu não sei, não conheço o detalhe”, afirmou.

Ele também declarou que o mecanismo não foi criado pelo atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Guedes citou que o deputado Rodrigo Maia, à época na presidência da Casa, pediu 30 bilhões de reais para as emendas de relator.

“Não houve essa convulsão toda. Por quê? possivelmente naquela altura o presidente da Câmara garantiu aqueles recursos para ficar independente do governo, fazer a política mesmo sendo oposição ao governo, ninguém reclamou. Agora, que é metade daquele dinheiro, mas para apoiar o governo, fazer as reformas, aí todo mundo descobriu que ‘o orçamento é secreto, que aquilo está errado.'”

(Com informações da Agência Estado)

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!