CartaExpressa

O tempo de falar em ‘fuzilar a oposição’ acabou, diz ministro das Relações Institucionais

Alexandre Padilha defendeu uma postura ‘de diálogo, respeito e civilidade’ com parlamentares bolsonaristas

Foto: Foto: Oswaldo Corneti/Fotos Públicas
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), declarou nesta quarta-feira 4 que o governo Lula (PT) seguirá uma postura ‘de diálogo, respeito e civilidade’ com os parlamentares apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em entrevista à GloboNews, o ministro foi instado a comentar o discurso do então vice-presidente Hamilton Mourão em 31 de dezembro, um dia depois de Bolsonaro deixar o Brasil rumo aos Estados Unidos. Na ocasião, o senador eleito pelo Rio Grande do Sul deixou clara a sua oposição ao governo petista.

Ao projetar sua relação com Mourão e outros membros da base bolsonarista, Padilha enalteceu o reconhecimento do resultado eleitoral.

O tempo de alguém falar que vai fuzilar a oposição acabou. A postura que Bolsonaro e bolsonaristas tinham comigo e outros parlamentares de oposição, este tempo acabou, foi derrotado pelas eleições e pelo voto popular, que é soberano, eletrônico e aditável”, disse o petista.

“Minha relação com o senador Mourão será a mesma com qualquer outro senador eleito pelo povo, reconhecendo que foi eleito, a forma da eleição e o resultado eleitoral, aquilo que infelizmente até hoje Bolsonaro não reconheceu.”

O ministro também criticou o ex-capitão por abandonar o País no penúltimo dia de mandato e deixar Mourão no exercício do cargo.

“Estamos fazendo aquilo que Bolsonaro não fez. Deveria ter a hombridade de fazer, mas não fez. Fugiu do País e deixou o Mourão ali na reta final”, completou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.