CartaExpressa

‘O que eu sofri ontem é o que muitas mulheres sofrem diariamente’, diz Janja, após ter conta invadida

A primeira-dama, Janja da Silva, se manifestou nesta terça-feira 12 sobre a invasão que sofreu em sua conta no X, o antigo Twitter. O caso, que aconteceu na noite da segunda-feira 11, está sob a investigação da Polícia Federal. Em nota, Janja condenou as mensagens […]

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama, Janja da Silva, se manifestou nesta terça-feira 12 sobre a invasão que sofreu em sua conta no X, o antigo Twitter. O caso, que aconteceu na noite da segunda-feira 11, está sob a investigação da Polícia Federal.

Em nota, Janja condenou as mensagens misóginas e violentas publicadas contra ela em sua própria conta pelo invasor.

“Eu já estou acostumada com ataques na internet, por mais triste que seja se acostumar com algo tão absurdo. Mas a realidade é que a internet é um espaço potente para o bem e para o mal. E é comprovado que nós, mulheres, somos as que mais sofrem com os ataques de ódio aqui nas redes. O que eu sofri ontem é o que muitas mulheres sofrem diariamente”, disse, em um trecho de seu relato.

“Mulheres no Brasil inteiro são vítimas de ataques machistas, que tomam conta das redes sociais e muitas vezes saem dela, acabando em agressões físicas e feminicídios. Milhares de mulheres perdem ou até tiram a própria vida a partir de ataques como o que sofri na noite de ontem”, refletiu.

A primeira-dama confirmou que, além da Polícia Federal, a plataforma X também foi acionada e está tomando as providências.

“O ódio, a intolerância e a misoginia precisam ser combatidos e, os responsáveis, punidos”, finalizou Janja.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.