CartaExpressa,Política

Novos áudios comprometem ainda mais o depoimento de Wajngarten na CPI

Novos áudios comprometem ainda mais o depoimento de Wajngarten na CPI

A revista 'Veja' divulgou trechos de entrevista em que ex-Secom afirma ter negociado o preço das doses da Pfizer

O ex-secretário da Secom, Fábio Wajngarten, na CPI da Covid (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O ex-secretário da Secom, Fábio Wajngarten, na CPI da Covid (Foto: Pedro França/Agência Senado)

A revista Veja divulgou, nesta sexta-feira 14, novos áudios da entrevista realizada com o ex-chefe da Secom, Fábio Wajngarten — a mesma que foi motivo de constrangimento na CPI da Covid após o ex-secretário ter negado acusar o Ministério da Saúde de “incompetência”. Um áudio reproduzido ao vivo na CPI pôs em xeque as alegações de Wajngarten.

Agora, os trechos divulgados mostram que o ex-secretário também afirmou, na entrevista, possuir um papel mais relevante nas negociações do governo federal com a Pfizer.

“À medida que tinha se fechado as portas e não avançava no Ministério da Saúde, eu abri as portas do Palácio. E a gente fez infinitas reuniões, várias, várias, com o presidente da Pfizer”, afirmou à revista. “Eu tenho que dizer que era uma negociação dura, quadrada, mas eles encontraram em mim também um negociador preparado. E tudo que eu pedi eles enviaram esforços e disseram que fariam, anteciparam entregas, com quantidade e preço. Eles foram impecáveis comigo, impecáveis”.

Na CPI, ele diminuiu seu papel nas conversas e afirmou ter comparecido apenas à três reuniões.

Em outro momento, Wajngarten diz que chegou até a negociar a diminuição dos preços por dose, estabelecidos em 10 dólares por dose. “Dinheiro nunca faltou”, começa. “Perto dos valores que foram ofertados aí, dez dólares a dose, que numa conversa rápida virou 9,60, 9,80, 9,60, 9,30, 9 e não sei quanto e até mesmo os dez”.

 

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem