CartaExpressa,Política

Nome para o STF é Mendonça e não há 2ª opção, diz Malafaia após reunião com Bolsonaro

Nome para o STF é Mendonça e não há 2ª opção, diz Malafaia após reunião com Bolsonaro

Silas Malafaia e Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Silas Malafaia e Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR

Líderes evangélicos se reuniram nesta quarta-feira 15 com o presidente Jair Bolsonaro. Em pauta, a situação do “terrivelmente evangélico” André Mendonça, que tenta assumir uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

 

 

A indicação de Bolsonaro, porém, encontra resistência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. O presidente do colegiado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), tem adiado a sabatina do ex-ministro da Advocacia-Geral da União.

“O presidente da República teve uma reunião com lideranças evangélicas para reafirmar que o candidato dele é André Mendonça e que não tem nenhuma 2ª opção. É o André e, se alguém pensa que, desestabilizando André, vai conseguir outro nome, ele [Bolsonaro] tem compromisso, assumido antes de ser presidente, de colocar um terrivelmente evangélico”, disse a jornalistas após o encontro o pastor evangélico – e bolsonarista – Silas Malafaia.

Além de Malafaia e do próprio Mendonça, estiveram no encontro com Bolsonaro o bispo Abner Ferreira e o apóstolo Estevam Hernandes.

Horas antes, representantes da Frente Parlamentar Evangélica se reuniram com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Segundo Malafaia, o senador se comprometeu a tentar destravar a indicação de Mendonça. “Vai falar com o Alcolumbre, vai pautar para resolver logo essa história”, disse o pastor.

O deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), que esteve na reunião com Pacheco, reforçou a versão de Malafaia. “O presidente Pacheco nos garantiu que irá falar com o Alcolumbre para que no máximo até semana que vem paute a sabatina do André Mendonça”, declarou ao jornal O Globo.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem