CartaExpressa

MPF cobra o Twitter por falta de canal de denúncias contra fake news

O órgão também pediu explicações sobre os critérios para verificar ou não perfis de usuários

O aplicativo da rede social Twitter. Créditos: Reprodução Créditos: Reprodução
O aplicativo da rede social Twitter. Créditos: Reprodução Créditos: Reprodução

O Ministério Público Federal enviou um ofício ao Twitter cobrando explicações sobre a falta de mecanismos para que os usuários denunciem posts com desinformação sobre a Covid-19.

No documento, o procurador da República Yuri Corrêa da Luz pede que a plataforma preste informações detalhadas sobre a disponibilização de canais de denúncia e, caso estejam em desenvolvimento, qual o prazo para que estejam disponíveis.

Em outro trecho, questiona os motivos pelos quais ‘usuários de outros países, como os Estados Unidos da América, dispõem de opção para denunciar à plataforma conteúdos desse tipo, ao passo que usuários brasileiros, não”.

Também há um pedido de explicações sobre os critérios adotados para disponibilizar a verificação de perfis a usuários ou para negar a solicitação, e se o status estaria ligado a páginas que disseminam conteúdo falso sobre a pandemia e a saúde pública.

O prazo estabelecido para a manifestação da plataforma é de dez dias a partir do ofício, que data da quinta-feira 6.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!