CartaExpressa

Moraes libera da prisão mais 14 bolsonaristas envolvidos nos atos de 8 de janeiro

Apesar da liberação, os bolsonaristas terão de cumprir algumas restrições estabelecidas pelo magistrado, a exemplo de usar tornozeleira eletrônica

Ação golpista em Brasília em 8 de janeiro. Foto: Ton Molina/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liberdade provisória nesta quinta-feira 27 a outras 14 pessoas que permaneciam presas por participação nos atos golpistas do 8 de janeiro.

Apesar da liberação, os bolsonaristas terão de cumprir algumas restrições estabelecidas pelo magistrado, a exemplo de usar tornozeleira eletrônica, não utilizar redes sociais e não se comunicar com outros investigados pelos atos, além de apresentar-se à Justiça semanalmente.

Os nove homens e as cinco mulheres estavam detidos no Acre e no Pará. Eles foram presos em flagrante quando estavam acampados nas imediações do 4º Batalhão de Infantaria e Selva do Exército Brasileiro, em Rio Branco (AC) e do 2º Batalhão de Infantaria e Selva do Exército Brasileiro.

A Procuradoria-Geral da República se manifestou favorável ao relaxamento da prisão em parecer enviado ao STF. No despacho, Moraes entendeu que os presos não apresentam risco à investigação porque já foram denunciados pelo MPF. Em outra decisão, o magistrado manteve a prisão de outras 280 pessoas.

Um dia após o quebra-quebra na capital federal, a Polícia Federal prendeu cerca de 2.151 bolsonaristas que participaram dos atos e estavam acampadas em frente ao QG do Exército em Brasília.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar