CartaExpressa

Moa do Katendê, morto após criticar Bolsonaro, é homenageado em ato em Salvador

Moa do Katendê, morto após criticar Bolsonaro, é homenageado em ato em Salvador

O ativista cultural foi morto a facadas por um bolsonarista em 2018, que assumiu motivo político para o crime

Créditos: Reprodução Instagram

Créditos: Reprodução Instagram

O mestre de capoeira Moa do Katendê foi homenageado neste sábado 24 em ato contra o presidente Bolsonaro, em Salvador. O ativista cultural foi morto em outubro de 2018, com 12 facadas, após declarar voto no PT durante as eleições.

O autor confesso do crime, o barbeiro Pulo Sérgio Ferreira de Santana, admitiu que a briga teve início por divergência política. O criminoso disse que votou em Jair Bolsonaro nas eleições. Já a vítima votou no então candidato Fernando Haddad. Moa do Katendê teria criticado Bolsonaro, o que desencadeou na violência.

 

 

A homenagem foi feita por torcedores do Bahia, que estenderam uma bandeira com o rosto do mestre de capoeira. O assassino do mestre de capoeira foi condenado em 2019 pelo Tribunal do Júri a 22 anos e 1 mês de prisão pelo crime de homicídio doloso.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem