CartaExpressa

Lula e Janja se encontram com príncipe saudita que deu joias a Bolsonaro

Mohammed bin Salman al Saud oferecerá um jantar ao casal nesta sexta-feira 23

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeir Dama, Janja Lula desembarcam em Portugal. Foto Ricardo Stuckert/ PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a primeira-dama Rosângela Silva, a Janja, se reunirão com o príncipe herdeiro do regime da Arábia Saudita, Mohammmed bin Salman al Saud. 

O encontro será realizado na residência oficial saudita em Paris, nesta sexta-feira 23, às 15h30 de Brasília.

O jantar será o último compromisso da noite do presidente, que cumpriu agenda na França e na Itália nesta semana. 

Em 2021, MBS entregou ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) joias como supostos presentes. As peças entraram ilegalmente no Brasil.

Anos antes, em 2019, o príncipe foi acusado de mandar matar o jornalista dissidente Jamal Khashoggi. 

Apesar disso, o herdeiro tenta voltar à cena internacional. Em 2022, ele foi recebido pelo presidente norte-americano, Joe Biden. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.