CartaExpressa

Lula critica preços de carros no País: ‘Qual pobre pode comprar carro popular por R$ 90 mil?’

O presidente disse que o governo estuda formas de trazer veículos mais baratos ao País e melhorar as condições de pagamento

Foto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) criticou, nesta quinta-feira 4, o preço dos carros no Brasil e disse que o governo estuda formas de trazer veículos mais baratos ao País e melhorar as condições de pagamento.

“Qual pobre que pode comprar carro popular por R$ 90 mil? Um carro de R$ 90 mil não é popular. É para classe média”, disse, durante a primeira reunião do ‘conselhão’, coletivo que apoia o presidente a pensar os rumos econômicos com políticas públicas de desenvolvimento.

Na mesma reunião, o presidente voltou a criticar o Banco Central e o presidente da entidade, Roberto Campos Neto, após o Copom manter a taxa básica de juros em 13,75%, pela sexta vez seguida.

O Conselhão empossou, nesta quinta-feira, 246 membros, entre empresários, banqueiros, lideranças indígenas, de movimentos sociais, entre outros.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.