CartaExpressa

Lula bateria Bolsonaro por 20 pontos no 2º turno, indica Datafolha

O petista também venceria Ciro Gomes (PDT). O pedetista, por sua vez, superaria Bolsonaro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL). Fotos: Ricardo Stuckert e Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula (PT) derrotaria Jair Bolsonaro (PL) em um eventual segundo turno por 55% a 35%, segundo uma pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira 28. 7% dizem que não votariam em nenhum deles, enquanto 2% estão indecisos.

O cenário é de estabilidade na comparação com a rodada anterior, de 23 de junho. Naquele levantamento, Lula aparecia à frente por 57% a 34%. A variação, portanto, ocorreu dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais.

Segundo o Datafolha, Lula venceria ainda Ciro Gomes (PDT), por 52% a 33%. O pedetista, por sua vez, superaria Bolsonaro, por 51% a 38%.

Na projeção de primeiro turno, a pesquisa também indica a manutenção do cenário apresentado pela rodada anterior. Lula lidera a corrida à Presidência com 47% das intenções de voto, ante 29% Bolsonaro.

O Datafolha ouviu 2.566 eleitores em 183 cidades. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-01192/2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.