CartaExpressa

‘Liberdade de expressão não é liberdade de agressão’, diz Moraes após indulto a Silveira

Em palestra a estudantes, magistrado disse ainda que ‘não é possível conviver e não podemos tolerar discurso de ódio, ataques a democracia, a corrosão da democracia’

Imagem: Arquivo STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, criticou nesta sexta-feira 29 autoridades que usam o escudo da ‘liberdade de expressão’ para expor pensamentos racistas e antidemocráticos. Em palestra a estudantes em uma universidade de São Paulo, o magistrado afirmou que não é possível tolerar discursos de ódio.

“Não é possível defender volta de um ato institucional número cinco, o AI-5, que garantia tortura de pessoas, morte de pessoas. O fechamento do Congresso, do poder Judiciário. Ora, nós não estamos em uma selva”, discursou Moraes. “Liberdade de expressão não é liberdade de agressão“, afirmou o ministro.

As declarações do magistrado ocorrem após o presidente Jair Bolsonaro (PL) conceder um indulto ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), que foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de prisão.

“Não é possível conviver e não podemos tolerar discurso de ódio, ataques a democracia, a corrosão da democracia”, acrescentou o ministro. “A pessoa que prega racismo, homofobia, machismo, fim das instituições democráticas falar que está usando sua liberdade de expressão”, disse.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar