CartaExpressa,Economia

Itaú derruba previsão e já projeta queda do PIB em 2022

Itaú derruba previsão e já projeta queda do PIB em 2022

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP

O banco Itaú divulgou um relatório, nesta segunda-feira 25, em que prevê retração de 0,5% do PIB brasileiro em 2022. No comunicado anterior, projetava um ínfimo crescimento de 0,5%.

A revisão ocorre em meio a discussões sobre o furo no teto de gastos para bancar o Auxílio Brasil de 400 reais, programa visto como prioritário para a campanha de Jair Bolsonaro à reeleição.

Na sexta-feira 22, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse, sem apresentar quaisquer evidências, que “o Brasil vai crescer mais que as previsões para o ano que vem.”

“Mas, enquanto isso, a política começa a sacudir. Tem uma ala política que pede auxílio de 500, 600, 700, e uma ala econômica que fala que só temos teto até 300. Ora, deve haver uma linha do meio”, alegou Guedes. Segundo ele, o responsável por “traçar a linha” é Bolsonaro.

O relatório do Itaú diz que “o aumento da incerteza fiscal implica em um risco-país mais alto, maior depreciação do real, piores perspectivas para a inflação e, em última instância, uma taxa de juros neutra mais alta”.

O banco também prevê que o Banco Central continuará a elevar a taxa básica de juros: em 1,5 ponto percentual na próxima reunião do Copom, em 1,5 em dezembro e em um ponto nas duas deliberações seguintes. Com isso, a Selic chegaria a 11,25% ao ano.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem