CartaExpressa

Imunização de crianças: Queiroga acusa Doria de ‘fazer palanque’ com vacinas ‘do governo federal’

O governador paulista criticou a gestão Bolsonaro pelo ‘retardamento’ no início da vacinação infantil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Isac Nóbrega/PR
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Isac Nóbrega/PR

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, usou as redes sociais nesta sexta-feira 14 para contra-atacar o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). No centro da disputa está a vacinação de crianças contra a Covid-19. Segundo Queiroga, “o político Doria subestima a população”.

“Está com as vacinas do governo federal e do povo brasileiro em mãos fazendo palanque. Acha que isso vai tirá-lo dos 3%. Desista! Seu marketing não vai mudar a face da sua gestão. Os paulistas merecem alguém melhor”, escreveu o ministro bolsonarista, em referência ao mau desempenho do tucano, pré-candidato à Presidência, nas pesquisas de intenção de voto.

Mais cedo, durante entrevista coletiva em São Paulo, Doria criticou o governo de Jair Bolsonaro pelo “retardamento” no início da imunização de crianças entre 5 e 11 anos. Afirmou ainda que “um governo que retarda a vacina para crianças, por princípios ideológicos, é um governo desumano”.

Segundo Doria, se a vacinação infantil tivesse começado em dezembro, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária avalizou o início do processo, todas as crianças do País já teriam recebido ao menos uma dose.

“Eu lamento como governador, como pai, como cidadão e como brasileiro as postergações feitas pelo governo federal, através do Ministério da Saúde, estabelecendo retardamento desnecessário ao início desta vacinação”, completou o governador paulista.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!