CartaExpressa,Política

Hang diz que não se vacinou e debocha na CPI: ‘Tenho neutralizante natural’

Hang diz que não se vacinou e debocha na CPI: ‘Tenho neutralizante natural’

O empresário e militante bolsonarista Luciano Hang. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O empresário e militante bolsonarista Luciano Hang. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O empresário e militante bolsonarista Luciano Hang, dono das lojas Havan, disse nesta quarta-feira 29, em depoimento à CPI da Covid, que não se vacinou. O ‘argumento’ ao qual o depoente recorreu é o mesmo utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Não tomei vacina. Vou mostrar por que não tomei”, disse Hang, antes de exibir para a câmera uma folha de papel. “Eu não tomei vacina porque tenho um índice de anticorpos altíssimo. Eu tenho neutralizante natural”.

A postura de Luciano Hang irritou integrantes da comissão, em especial o presidente Omar Aziz (PSD-AM). O senador também criticou a defesa de medicamentos ineficazes contra a Covid-19.

“É um negacionista, mesmo. Espero que o Ministério Público de Santa Catarina e todo cidadão em Brusque que tomou esse medicamento prescrito pelo senhor Luciano Hang e teve efeitos colaterais entre em processo contra ele. Todos os efeitos colaterais… A responsabilidade é do verde e amarelo aqui”, disse Aziz.

O presidente da CPI também ironizou o suposto motivo pelo qual Hang não se imunizou. “Bolsonaro respondeu a mesma coisa ao primeiro-ministro da Inglaterra”, declarou Aziz, em referência ao encontro entre o ex-capitão e Boris Johnson, em Nova York, durante a 76ª Assembleia-Geral das Nações Unidas.

“Lá na frente ele [Boris Johnson] perguntou se eu tinha tomado a vacina. Falei que não. Falei que meu IgG estava lá em cima, 991. Eu falei ‘olha, vamos apostar uma caixa de uísque que meu IgG está maior que o teu que está vacinado?’. Ele sorriu e não quis apostar comigo“, declarou Bolsonaro em transmissão nas redes sociais após retornar ao Brasil.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem