CartaExpressa

Grupo de 33 brasileiros é resgatado pelo governo Lula na Cisjordânia

No total, são doze homens, dez mulheres e onze crianças; o grupo que está em Gaza segue aguardando autorização para cruzar a fronteira com o Egito

Grupo de brasileiros em Jericó, onde fizeram os trâmites de imigração antes de cruzar a fronteira com a Jordânia. Foto: Representação do Brasil em Ramala, na Cisjordânia
Apoie Siga-nos no

O governo federal resgatou 33 brasileiros que estavam na Cisjordânia, outra região afetada pelo conflito entre Israel e Hamas. O grupo deixou a região após uma operação realizada nesta quarta-feira 1 pela Representação Brasileira em Ramala. No total, os resgatados são 12 homens, 10 mulheres e 11 crianças.

Primeiro, o grupo foi conduzido em três veículos, saindo da cidade da Cisjordânia até Jericó. De lá, os resgatados cruzaram a fronteira com a Jordânia e embarcaram em um ônibus fretado pelo governo até a capital Amã. Finalmente, o grupo vai partir em uma aeronave da Presidência da República para o Brasil.

Os resgatados serão levados aos seguintes locais: Foz do Iguaçu, São Paulo, Florianópolis, Recife, Rio de Janeiro, Fortaleza, Curitiba, Goiânia, Brasília e Porto Alegre.

De acordo com o governo, a operação “Voltando em Paz” já retirou 1.446 pessoas das zonas de conflitos entre Israel e o Hamas. A maioria (1.443) é composta por brasileiros, além de três bolivianas. Soma-se ao grupo 53 animais de estimação.

Também nesta quarta-feira 1, um grupo com cerca de 500 pessoas foi autorizado, pela primeira vez desde o início do conflito, a deixar a Faixa de Gaza. A operação foi articulada em um acordo entre Israel, Egito, Catar e o Hamas. Nenhum brasileiro fez parte da primeira lista

De acordo com o embaixador do Brasil na Palestina, Alessandro Candeas, o Itamaraty está trabalhando pela liberação. Assim que autorizados, o grupo de 34 pessoas – 24 brasileiros e 10 palestinos – deve deixar Gaza pela fronteira com o Egito. De lá, o governo pretende trazer o grupo em um avião da Presidência da República, como nas demais ocasiões. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.