CartaExpressa

Governo processa Magalu e Shopee por anúncio falso sobre ‘cura do autismo’

Segundo a Senacon, os anúncios também citavam o dióxido de cloro como um ‘desativador’ de vacinas

Foto: Instagram/Reprodução Foto: Instagram/Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, instaurou um processo contra as empresas Shopee, Magazine Luiza, Nutrafóton e Farmácia Viva por indícios de fake news em anúncios sobre dióxido de cloro.

Na decisão publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira 25, é relatado que as empresas usaram um anúncio com “alegações falsas e sem comprovação científica de cura para uma ampla gama de condições médicas, incluindo autismo, e como ‘inibidor’ ou ‘desativador’ de vacinas”. 

O saneante e é um produto químico corrosivo de uso autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O órgão impôs medida cautelar para que as empresas retirem imediatamente do ar o conteúdo ilícito e anúncios similares de dióxido de cloro e associados.

Cada empresa citada está sujeita a uma multa diária de 100 mil reais em caso de descumprimento da decisão. O prazo fornecido pelo governo é de 48 horas.

Na medida, também é imposto que as empresas adotem ações elucidativas sobre o produto e que impeçam a volta de veiculação desse tipo de anúncio, seja ele de autoria própria ou patrocinadores. A pasta pede que essas medidas sejam apresentadas em um relatório.

As quatro empresas têm 20 dias para apresentar defesa. Até o momento de publicação da matéria, as empresas não se manifestaram. O espaço segue aberto. 

Leia a decisão na íntegra: 

DESPACHO Nº 1.452_2023 - DESPACHO Nº 1.452_2023 - DOU - Imprensa Nacional

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar