CartaExpressa

Governo chega a acordo com o Senado e revogará decreto sobre o saneamento

Em maio, a Câmara derrubou as mudanças promovidas pelo Executivo no Marco do Saneamento

O ministro de Relações Institucionais da Presidência da República, Alexandre Padilha. Foto Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Lula chegou a um acordo com líderes do Senado para um novo decreto sobre as regras do saneamento, a fim de evitar uma derrota em votação no plenário.

Em maio, a Câmara derrubou as mudanças promovidas pelo Executivo no Marco do Saneamento e a tendência era de que os senadores chancelassem a decisão. O acordo foi anunciado nesta terça-feira 11 pelo ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

“O governo, no diálogo com senadores, com parlamentares, vai corrigir o que foi apontado por parlamentares e vai revogar pontos questionados e editar um novo com o que tem consenso”, disse o petista. “Se o Congresso quiser apresentar um PL, é iniciativa do Congresso.”

Padilha se reuniu com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e com outras lideranças da Casa nesta terça.

Na prática, o governo revogará os decretos editados em abril e publicará um novo texto nesta semana, suprimindo os trechos que geraram reação do Congresso Nacional.

O novo decreto deve retirar da redação o ponto que deputados e senadores interpretaram como uma brecha a fim de dispensar a licitação para empresas estatais de saneamento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar