CartaExpressa

Renan Filho projeta 35 leilões de transportes até o fim do governo Lula

O ministro dos Transportes voltou a cobrar o Banco Central, ao defender a redução da taxa Selic, mantida em 13,75% ao ano

O ministro dos Transportes, Renan Filho. Foto Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro dos Transportes, Renan Filho, afirmou nesta segunda-feira 10 que o governo Lula pretende promover 35 leilões no setor até o fim do mandato do presidente, em 2026. Ele também voltou a cobrar o Banco Central, ao defender a redução da taxa Selic, estabelecida em 13,75% ao ano.

“Esperamos fazer 35 leilões nesses quatro anos, por isso é fundamental a queda na taxa de juros, para a gente fortalecer a aplicação de recursos públicos e fortalecer também a atração de capital privado, somando esforços”, declarou o político do MDB em entrevista à revista Exame.

Segundo ele, a política fiscal conduzida pelo governo Lula levou à queda da inflação e “abriu espaço” para o corte nos juros, o que facilitaria a atração do capital privado.

Renan Filho acrescentou que o governo prevê cinco leilões em 2023, dos quais três já estão publicados. São dois lotes de rodovias do Paraná e um trecho da BR-381, em Minas Gerais, conhecido como “rodovia da morte”.

Os dois lotes paranaenses preveem um investimento de 18 milhões de reais. No certame mineiro, segundo o ministro, o governo espera “utilizar recursos do acordo de Mariana para poder viabilizar investimentos e reduzir a tarifa paga por quem trafega na BR-381”.

Os dois leilões restantes na agenda do governo para 2023 envolvem trechos da BR-040, do Rio de Janeiro até Belo Horizonte e de Belo Horizonte até Brasília.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.