CartaExpressa

Governo Bolsonaro desistiu de comprar 43 milhões de doses de vacina, revelam documentos

Desistência consta em série de telegramas encaminhados pela diplomacia brasileira

Jair Bolsonaro e o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, responsável pelo atuação do Brasil no Covax Facility. Foto: Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Bolsonaro desistiu de comprar 43 milhões de doses de vacina no consórcio Covax Facility. É o que mostram uma série de telegramas encaminhados pela diplomacia brasileira. A informação foi revelada pelo UOL neste sábado 7.

Segundo os documentos, a opção inicial do País era comprar doses suficientes para cobrir a imunização de 20% da população. No total, de acordo com mensagens do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo enviadas em agosto de 2020, seriam adquiridos 86 milhões de imunizantes via consórcio.

A opção de compra, no entanto, foi reduzida pela metade poucos dias depois. Em 22 de setembro, Araújo informou ao Covax Facility que o Brasil reduziria a sua opção de compra para apenas 10% da população, solicitando assim, apenas 43 milhões de doses de vacina.

Os telegramas comprovam ainda que o Brasil criou obstáculos políticos para aderir ao Covax Facility e só aderiu ao grupo quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) cedeu à sua pressão. O governo federal cobrava que os Países não fossem obrigados a assumir compromissos de comprar vacinas.

As mensagens comprovam que o governo queria negociar vacinas por outros meios, sem se comprometer totalmente com a coalizão de Países do Covax Facility.

Recentemente, o Ministério da Saúde alegou que o atraso para a adesão ao consórcio de vacinas foi causado pelo nível de inglês insuficiente dos responsáveis por ler os documentos enviados pelo grupo.

Há ainda provas de que o governo Bolsonaro sabia da ineficácia da cloroquina no combate ao coronavírus. O governo recebeu, via diplomacia brasileira, informações de que a própria indústria farmacêutica mundial havia desistido do medicamento em agosto de 2020. Ainda assim, Bolsonaro segue propagandeando o ‘kit covid’ como solução para enfrentar a pandemia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar