CartaExpressa

Garimpeiros morrem em confronto com a PRF durante operação em terras yanomami

No último sábado, três indígenas foram baleados na comunidade Uxiu em um ataque que teria sido promovido por garimpeiros; uma das vítimas morreu

Créditos: Reprodução PRF
Apoie Siga-nos no

Quatro garimpeiros morreram em confronto com a Polícia Rodoviária Federal na noite do domingo 30, durante uma ação de fiscalização da corporação contra o garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

De acordo com a PRF, os agentes da corporação do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente foram recebidos a tiros pelos garimpeiros que tentavam impedir a operação na área indígena.

“Os policiais revidaram e atingiram quatro atiradores, que não resistiram aos ferimentos”, informou o órgão. A ocorrência foi registrada na delegacia da PRF em Boa Vista, capital do estado.

A terra indígena Yanomami enfrenta conflitos entre indígenas e garimpeiros ilegais nos últimos dias. No último sábado, três homens da etnia foram baleados na comunidade Uxiu em um ataque que teria sido promovido por garimpeiros. Uma das vítimas morreu após a ação. Os outros dois passaram por cirurgias e permanecem internados em um hospital de Boa Vista.

O governo de Roraima informou, em nota, que eles “apresentam quadro de saúde estável e estão acordados, com sinais vitais em pleno funcionamento e sem nenhum risco de morte”. A Polícia Federal investiga o caso e enviou agentes para investigar os ataques.

Uma comitiva do governo Lula (PT) desembarcou na terra indígena na manhã desta segunda-feira 1º. O grupo é formado pelas ministras Nísia Trindade (Saúde) e Sônia Guajajara (Povos Indígenas), além do presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, e representantes do Ministério da Justiça e da Funai.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.