CartaExpressa

Fusão entre DEM e PSL terá candidato em 2022, mas apoio a Bolsonaro será livre

Revelação foi feita pelo futuro secretário-geral do partido, ACM Neto, que afirmou não querer criar constrangimentos

Jair Bolsonaro e ACM Neto. Foto: Marcos Corrêa/PR
Apoie Siga-nos no

O futuro secretário-geral do partido que surgirá a partir da fusão entre PSL e DEM, ACM Neto, afirmou que a nova legenda não será governista, mas também não criará constrangimentos aos filiados e diretórios que apoiarem o presidente Jair Bolsonaro.

O dirigente partidário, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que a intenção é ter um candidato próprio da sigla na corrida pelo Planalto, mas ressaltou: “[Ter candidatura própria a presidente] Não significa que a gente pretenda estabelecer qualquer tipo de constrangimento para as lideranças e figuras do partido que eventualmente em seus Estados tenham uma situação distinta da nacional”.

“A ideia, a priori, nossa é ter um projeto nacional e, na medida do possível, conciliar as questões locais sem constrangimentos. Esse é o nosso horizonte mais provável”, acrescentou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.