CartaExpressa,Política

Flávio minimiza sessão com familiares de vítimas da Covid: ‘Escolhidos para falar mal do presidente’

Flávio minimiza sessão com familiares de vítimas da Covid: ‘Escolhidos para falar mal do presidente’

Fotos: Reprodução/Redes Sociais e Pedro França/Agência Senado

Fotos: Reprodução/Redes Sociais e Pedro França/Agência Senado

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) minimizou a audiência pública promovida nesta segunda-feira 18 pela CPI da Covid com familiares de vítimas do novo coronavírus. O ’01’ classificou a sessão como “algo macabro, triste e lamentável”.

“Pessoas foram escolhidas a dedo para virem à CPI e falar mal do presidente. Pessoas com histórico de militância contra o presidente vieram com o compromisso de responsabilizar Bolsonaro pela morte de seus familiares”, disse Flávio em vídeo divulgado nas redes sociais. Ele aproveitou para defender o pai das críticas e atacar prefeitos e governadores.

Segundo ele, “Bolsonaro fez e continuará fazendo o que está ao seu alcance”, enquanto se referiu a gestores municipais e estaduais como “essa turma do ‘fica em casa e a economia a gente vê depois'”.

Flávio ainda declarou que a CPI da Covid “entra para a história como algo que mancha a história do Senado” e “grande parte da população olha para cá com nojo”.

Um dos participantes da audiência desta segunda na CPI foi Marco Antônio do Nascimento Silva, cujo filho faleceu de Covid em 2020. Emocionado, o depoente disse ter sido doloroso ouvir o presidente Jair Bolsonaro perguntar “e daí?” sobre as vítimas da doença. Quando o País ultrapassou a China na quantidade de mortos pelo coronavírus, no ano passado, o chefe do Executivo afirmou: “E daí? Sou Messias, mas não faço milagres”.

Marco relatou ter sofrido com a hostilidade reservada pelo presidente às vítimas da Covid. “Eu escutei no fundo do meu coração: ‘E daí que seu filho morreu?”, disse. “Acho que nós merecíamos um pedido de desculpas da maior autoridade do País”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem