CartaExpressa

Em meio a críticas, PGR pede dez providências ao STF com base no relatório da CPI da Covid

A postura do procurador-geral da República, Augusto Aras, tem irritado a cúpula da comissão, que encerrou os trabalhos em outubro

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Baseada no relatório da CPI da Covid, a Procuradoria-Geral da República encaminhou ao Supremo Tribunal Federal dez pedidos de providências. Na lista, estão solicitações de investigação, de inclusão de fatos em processos que já estão em andamento e de envio de casos para análise de outras instâncias judiciais.

As demandas da PGR, que estão sob sigilo, serão relatadas pelos ministros Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Roberto Barroso e Kassio Nunes Marques.

A postura do procurador-geral da República, Augusto Aras, tem irritado a cúpula da CPI, que encerrou os trabalhos em outubro. Na terça-feira 23, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado aprovou um convite ao PGR para que ele preste esclarecimentos sobre as ações tomadas após receber o relatório.

“Encontra-se sobre a mesa de sua Excelência a sugestão de indiciamento de pelo menos oito pessoas com foro privilegiado, entre eles o presidente da República”, explicou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento e vice-presidente da CPI.

Segundo Randolfe, os senadores querem saber se Aras “dará encaminhamento às investigações, instaurará um inquérito no Supremo Tribunal Federal e moverá a ação penal em relação ao presidente da República”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!