CartaExpressa

Em curso, policial rodoviário ensina a fazer ‘câmara de gás’: ‘A pessoa fica mansinha’

A comoção pela morte de Genivaldo de Jesus fez voltar a circular nas redes o trecho de uma aula de Ronaldo Bandeira

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A comoção pela morte por asfixia de Genivaldo de Jesus em uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal em Sergipe, na última quarta-feira 25, fez voltar a circular nas redes sociais o vídeo de um curso preparatório para carreiras militares em que um professor descreve como empregar o método utilizado no episódio.

No vídeo, o instrutor Ronaldo Bandeira relata um suposto caso em que lidou com um preso no porta-malas de uma viatura. Ele é agente da PRF há mais de dez anos e abriu um curso preparatório em Balneário Camboriú.

“Nesse ínterim, em que a gente ficou lavrando o procedimento e ele estava na parte de trás da viatura, ele ainda tentou quebrar o vidro com chutes. O que o polícia faz? Abre um pouquinho, pega o spray de pimenta e taca (sic)”, narrou Bandeira. “A pessoa fica mansinha. Aí, daqui a pouco eu só escutei assim: ‘Eu vou morrer, eu vou morrer’. Aí eu fiquei com pena. Abri assim: ‘Tortura!’. E fechei de novo. Sacanagem, fiz isso, não.”

A assessoria do curso em que Bandeira trabalha atualmente afirma que o vídeo, de 2016, tem mais de três horas de duração e a declaração foi retirada de contexto. A aula, segundo a empresa, tratava da Lei Penal 9.455, que define os crimes de tortura. A lei foi sancionada em abril de 1997.

Em nota a CartaCapital, a assessoria do curso preparatório em que ocorreu a aula sobre “câmara de gás” informou que Ronaldo Bandeira deixou a empresa em 2018.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.