CartaExpressa

Em Aparecida, Bolsonaro ouve sermão sobre Covid-19 e desemprego

Antes da chegada do presidente, arcebispo fez críticas ao armamento da população, às fake news, corrupção e discurso de ódio

Créditos: Reprodução G1 Créditos: Reprodução G1
Créditos: Reprodução G1 Créditos: Reprodução G1

O presidente Jair Bolsonaro compareceu ao Santuário Nacional Aparecida, no interior de São Paulo, e ouviu sermão de solidariedade às famílias vítimas da Covid e que também citou o desemprego. Sua presença nesta terça-feira 12 foi marcada por vaias de opositores e gritos de apoio de bolsonaristas.

Mais cedo, antes de sua chegada, o arcebispo Orlando Brandes fez críticas aos discursos de ódio, ao armamento da população, à corrupção e às fake news, sem citar nominalmente o presidente.

“Para ser pátria amada, não pode ser pátria armada”, disse. “Para ser pátria amada seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”, completou.

Durante a missa, Bolsonaro ficou encarregado de fazer a primeira leitura, a liturgia da palavra. Posteriormente, foi convidado pelo arcebispo Brandes a fazer a consagração da imagem de Aparecida. O presidente estava acompanhado dos ministros Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) e João Roma (Cidadania). Durante a cerimônia, o chefe do Executivo fez uso de máscara.

O presidente também ouviu o discurso do padre José Ulisses, que fez referências às vítimas da Covid e abordou a situação de desemprego no País.

“Este é o santuário da palavra de Deus e da Sagrada Família. Bom, você que está aqui hoje, neste 12 de outubro de 2021, pode agradecer por estarmos aqui, vivos. Ela [Nossa Senhora] enxuga as lágrimas de muitas famílias. Muita gente morreu, mas hoje é o momento de olhar a imagem da nossa Mãe e dizer obrigada”.

“Ela [Nossa Senhora] nos ensinou a seguir em frente. Se ela pudesse, chegaria perto de cada um de nós para dar um abraço fraterno”, completou o padre.

“Há várias mesas vazias, desemprego. Mas Nossa Senhora está aqui hoje para repartir o bolo do seu aniversário, sem distinção. Somos o povo de Deus. E a maior dignidade que temos deve prevalecer ao povo de Deus. Só assim poderemos construir um país e, assim, sonhar com a paz e a justiça.”

O padre também defendeu o desarmamento da população, na direção oposta ao que discursa Bolsonaro. “Que haja mais desarmamento, mais felicidade e mais humanidade”, disse ele olhando na direção de Bolsonaro e de seus ministros. “Em seu aniversário, tudo que Nossa Senhora deseja é avida.”

Bolsonaro deixou o Santuário sem falar com a imprensa.

 

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!