CartaExpressa

Eleições 2022: PSOL abre negociação sobre federação com Rede e PCdoB

Em nota, a legenda diz que as federações permitem ‘o enfrentamento da cláusula de barreira, criada para asfixiar os partidos ideológicos’

PSOL ainda não definiu sobre candidatura própria em 2022. Foto: Reprodução
PSOL ainda não definiu sobre candidatura própria em 2022. Foto: Reprodução

A Executiva Nacional do PSOL autorizou a abertura de conversas formais com a Rede e o PCdoB para avaliar a formação de uma federação partidária. A decisão foi tomada nesta sexta-feira 10.

Em nota, o PSOL afirma que as federações permitem “o enfrentamento da cláusula de barreira, medida antidemocrática criada para asfixiar os partidos ideológicos com a justificativa de combater a ‘pulverização’ do sistema partidário brasileiro”. A legenda também diz que “propostas de diálogo com outras agremiações de esquerda serão apreciadas oportunamente”.

Com as federações, dois ou mais partidos podem se juntar e formar um bloco durante a eleição, mas terão de atuar juntos nos quatro anos seguintes. Elas deverão atuar como se fossem uma única agremiação partidária. Dessa forma, legendas menores poderão se unir a partidos maiores e manter representantes que não seriam eleitos no modelo atual.

Na última quarta-feira 8, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, rejeitou uma tentativa do PTB de suspender a autorização para formar as federações.

Barroso, no entanto, promoveu uma mudança nos prazos para que as federações participem das eleições. Segundo a lei que nasceu no Congresso Nacional, o limite seria de dois meses antes do pleito; agora, é de seis meses. A decisão é liminar e será analisada pelo plenário do Supremo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!