CartaExpressa

Eleições 2022: PSDB confirma Doria, Leite, Tasso e Virgílio em prévias

Duas candidaturas apresentadas foram indeferidas, segundo a legenda

Foto: Divulgação/PSDB
Apoie Siga-nos no

O PSDB oficializou nesta segunda-feira 21 os quatro pré-candidatos à Presidência que disputarão as prévias do partido, em novembro: os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, o senador Tasso Jereissati e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Em nota, a legenda comunicou que “das seis candidaturas apresentadas, apenas quatro cumpriram os requisitos estabelecidos pela resolução 046/2021 da Comissão Executiva Nacional do PSDB”.

Os presidenciáveis tucanos não apresentam bom desempenho nas pesquisas de intenção de voto. Levantamento Datafolha divulgado em 17 de setembro trouxe um cenário com Doria e outro com Leite.

Com o paulista, Lula lidera (46%), Jair Bolsonaro é o segundo (25%), Ciro Gomes é o terceiro (9%) e Doria aparece em quarto (4%).

Na simulação com o gaúcho entre os postulantes, a ordem não se altera: Lula (42%), Bolsonaro (25%), Ciro Gomes (12%) e Leite (4%).

O Datafolha entrevistou presencialmente 3.667 eleitores em 190 cidades entre 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.