CartaExpressa,Política,Saúde

Em aceno a igrejas, Doria define cultos e missas como serviços essenciais

Em aceno a igrejas, Doria define cultos e missas como serviços essenciais

Com o decreto, igrejas podem funcionar em qualquer nível restritivo do Plano São Paulo. O estado vive atualmente a pior fase da pandemia

O governador João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador João Doria (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), assinou um decreto nesta segunda-feira 1 para definir como essenciais as atividades religiosas “de qualquer natureza”. A medida deve ser publicada na terça-feira 02 no Diário Oficial do estado, e foi anunciada pelo próprio governador nas redes sociais.

“Esperança, fé e oração. Com vacinas, vamos vencer a Covid”, declara Doria em vídeo, cercado de apoiadores da medida em sala do Palácio dos Bandeirantes.

Com isso, independente da fase restritiva a qual o estado está submetido, as igrejas poderão permanecer abertas. Atualmente, São Paulo vive a pior fase da pandemia desde seu início e classifica quase todo o estado na fase laranja, a segunda mais rígida.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem