Saúde

São Paulo tem maior número de internações desde o início da pandemia

‘Temos o risco de colapsar’, disse o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn

O governador João Doria (PSDB). Foto: GOVSP
O governador João Doria (PSDB). Foto: GOVSP

O estado de São Paulo bateu recorde no número de internações por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo informou o governo de João Doria (PSDB), nesta sexta-feira 26. Segundo a Secretaria de Saúde, o estado contabiliza 6.767 pacientes internados, número superior ao maior índice do pico da primeira onda, 6.250, em julho de 2020.

 

“Tudo tem limite, recursos humanos, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, espaço”, afirmou o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. “Temos o risco de colapsar.”

A taxa de ocupação de leitos é de 70,4%, sendo que algumas regiões, como Ribeirão Preto, superam 80%.

Seis regiões regrediram de fase no Plano São Paulo, programa que separa por cores os estágios das restrições sanitárias.

A Grande São Paulo, que inclui a capital, retrocedeu da fase amarela para a laranja, assim como Campinas, Sorocaba e Registro. Marília e Ribeirão Preto saíram da fase laranja para a fase vermelha.

Estão na fase vermelha, além de Marília e Ribeirão Preto, as cidades de Araraquara, Bauru, Barreto e Presidente Prudente. Mais de 15% da população do estado estão na fase vermelha, enquanto 76% estão na fase laranja.

É a 23ª classificação de estágios no Plano São Paulo. João Doria reforçou que os prefeitos têm autonomia para endurecer as medidas, a depender das situações locais.

“O custo político é de todos nós”, disse o governador. “Exceto os populistas e negacionistas. Esses não se importam com nenhum custo, nem com a própria vida.”

O estado reúne mais de 59 mil óbitos por coronavírus.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!