CartaExpressa

Diretor-geral da OMS comemora indicação de Nísia para a Saúde: ‘Trabalharemos juntos’

A futura ministra esteve na companhia de Tedros Adhanom na sede da OMS, em Genebra, durante encontro que definiu as primeiras prioridades de uma agenda global relacionadas a Covid-19

Créditos: Divulgação / Fiocruz
Apoie Siga-nos no

A indicação da presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, ao cargo de ministra da Saúde foi comemorada pelo diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Parabéns à minha amiga Dr. Nísia Trindade por ser indicada para ser ministra da saúde do Brasil, a 1ª mulher a assumir esta posição. Tudo de bom e conto que trabalharemos juntos nos próximos anos para avançarmos na #Saúde para Todos!”, escreveu em suas redes sociais.

Nísia já se encontrou com Tedros algumas vezes, a mais recente pouco antes de a Covid-19 ser declarada uma emergência global. Ela esteve na sede da OMS, em Genebra, representando a Fiocruz durante encontro com mais de 300 especialistas internacionais convocados pela organização para avaliar o cenário e o combate ao novo coronavírus. Chegou a coordenar as sessões durante um dia do encontro, de onde saíram primeiras prioridades de uma agenda global de pesquisa relacionadas ao Sars-CoV-2.

A cientista social será a primeira mulher a chefiar o Ministério da Saúde. Ela terá a missão de reerguer um dos ministérios mais impactados negativamente pela gestão de Bolsonaro. Um dos focos, como já anteciparam Lula e Geraldo Alckmin, será a retomada das campanhas de vacinação nacionais. Para isso, porém, será preciso superar desafios orçamentários e logísticos, já que a atual gestão, com viés negacionista, deixa um rastro de caos nos resultados de imunização e sequer preparou um plano para o setor em 2023.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar