CartaExpressa

Dias após renunciar ao comando da Americanas, Sergio Rial deixa o conselho do Santander

O executivo se desligou da varejista logo após a revelação de um rombo de 20 bilhões de reais em balanços

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O Santander Brasil anunciou nesta sexta-feira 20 que o presidente do conselho de administração do banco, Sergio Rial, renunciou ao posto. Na semana passada, ele já havia deixado o comando da Americanas, após poucos dias no cargo, diante de uma crise que levou a varejista a entrar em recuperação judicial.

Segundo o comunicado, divulgado via fato relevante ao mercado, a vice-presidenta do Conselho de Administração do Santander, Deborah Stern Vieitas, assumirá as funções de Rial até a próxima assembleia geral ordinária, agendada para 28 de abril.

O texto é assinado por Angel Santodomingo Martell, CFO e diretor de Relações com Investidores.

Riad renunciou ao comando da Americanas em 11 de janeiro, logo após a revelação de um rombo de 20 bilhões de reais em balanços de 2022 e de anos anteriores. As “inconsistências contábeis” poderiam, segundo a companhia, alterar seu grau de endividamento e o capital de giro.

Na quinta 19, o juiz Paulo Assed Estefan, da 4ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro, aceitou o pedido de recuperação judicial apresentado pela varejista, que declarou dívidas de 43 bilhões de reais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar